segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Feliz Natal. . . .


Um Santo e Feliz Natal a todos os alunos e a todos aqueles que visitam este blog =)

É altura de renovar baterias. . .


A todos muitos presentes e muitos momentos felizes!!!


Boa Viagem !

O Professor

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Competências para o teste

 Localizar no tempo e no espaço o aparecimento do Renascimento.
 Conhecer os factores que levaram ao aparecimento do Renascimento.
 Explicar as características fundamentais deste movimento (classicismo, naturalismo, individualismo, antropocentrismo, humanismo e experimentalismo)
 Entender o Renascimento como um processo de passagem da Idade Média para a Idade Moderna.
 Conhecer alguns dos nomes mais sonantes do movimento renascentista.
 Indicar as áreas de estudo mais desenvolvidas nesta época.
 Referir os meios de difusão do humanismo.
 Identificar os focos e os nomes mais relevantes do Humanismo.
 Conhecer o contributo português para este movimento intelectual.
 Identificar as características fundamentais na arquitectura, da pintura e da escultura renascentista.
 Dar exemplos de arquitectos, pintores e escultores renascentistas.
 Conhecer as características principais do Manuelino.
 Conhecer artistas renascentistas portugueses.

 Indicar as críticas apontadas à Igreja Católica no século XVI.
 Referir as Igrejas Protestantes que surgiram no século XVI.
 Identificar os fundadores das Igrejas Protestantes do século XVI.
 Conhecer os princípios fundamentais das Igrejas Protestantes do século XVI.
 Conhecer a reafirmação dos princípios da Igreja Católica através do Concílio de Trento.
 Caracterizar a Contra-Reforma.


BOA SORTE!!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

APLICA . . .

Aplica os teu conhecimentos:

http://prof.francodigi.com/activ_historia/reforma_catolica.htm

http://prof.francodigi.com/activ_historia/causas_crise_religiosa.htm

http://prof.francodigi.com/activ_historia/indulgencias.htm

http://prof.francodigi.com/activ_historia/reforma_protestante.htm

http://prof.francodigi.com/activ_historia/contra-reforma.htm

Boa Viagem!

O Professor

Contra-Reforma

A Reação católica contra o avanço protestante

Diante dos movimentos protestantes, a reacção inicial e imediata da Igreja católica foi punir os rebeldes, na esperança de que as ideias reformistas não se propagassem e o mundo cristão recuperasse a unidade perdida. Essa táctica, entretanto, não obteve bons resultados. O movimento protestante avançou pela Europa, conquistando um crescente número de seguidores.
Diante disso, ganhou força um amplo movimento de moralização do clero e de reorganização das estruturas administrativas da Igreja Católica, que ficou conhecido como Reforma Católica ou Contra-Reforma. Os seus principais líderes foram os papas Paulo III (1534-1549), Paulo IV (1555-1559), Pio V (1566-1572) e Xisto V (1585-1590)
Um conjunto de medidas forma adoptadas pelos líderes da Contra-Reforma, com vista à detenção do avanço do protestantismo. Entre essas medidas, destacam-se a aprovação da ordem dos jesuítas, a convocação do Concílio de Trento e o reestabelecimento da Inquisição e Índex.

Ordem dos Jesuítas

No ano de 1540, o papa Paulo III aprovou a criação da ordem dos jesuítas ou Companhia de Jesus, fundada pelo militar espanhol Inácio de Loyola, em 1534.
Inspirando-se na estrutura militar, os jesuítas consideravam-se os "soldados da Igreja", cuja missão era combater a expansão do protestantismo. O combate deveria ser travado com as armas do espírito, e para isso Inácio de Loyola escreveu um livro básico, Os Exércitos Espirituais, propondo a conversão das pessoas ao catolicismo, mediante técnicas de contemplação.
A criação de escolas religiosas também foi um dos instrumentos da estratégia dos jesuítas. Outra arma utilizada foi a catequese dos não-cristãos, com os jesuítas empenhando-se em converter ao catolicismo os povos dos continentes recém-descobertos. O objectivo era expandir o domínio católico para os demais continentes.

Concílio de Trento

No ano de 1545, o papa Paulo III convocou um concílio (reunião de bispos), cujas primeiras reuniões foram realizadas na cidade de Trento, em Itália. Ao final de longos anos de trabalho, terminados em 1563, o concílio apresentou um conjunto de decisões destinadas a garantir a unidade da fé católica e a disciplina eclesiástica.
Reagindo às ideias protestantes, o Concílio de Trento reafirmou diversos pontos da doutrina católica, como por exemplo:
I. a salvação humana: depende da fé e das boas obras humanas. Rejeita-se, portanto a doutrina da predestinação;
II. a fonte da fé: o dogma religioso tem como fonte a Bíblia (cabendo à Igreja dar-lhe a interpretação correcta) e a tradição religiosa (conservada e transmitida pela igreja). O Papa reafirmava sua posição de sucessor de Pedro, a quem Jesus Cristo confiou a construção da sua Igreja;
III. a missa e a presença de Cristo: a Igreja reafirmou que no acto da Eucaristia ocorria a presença de Jesus no Pão e no Vinho. Essa presença real de Cristo era rejeitada pelos protestantes.
O Concílio de Trento determinou, ainda, a elaboração de um catecismo com os pontos fundamentais da doutrina católica, a criação de seminários para a formação dos sacerdotes e manutenção do celibato sacerdotal.

Inquisição e Índex - Repressão

Em meados de 1542 dá-se início a uma terrível repressão. Por esta época o Papa Paulo III reestabelece o tribunal da Santo Ofício, mais vulgarmente conhecido como Inquisição. Este visava proteger a religião e salvar as almas dos homens (mesmo que esses não o quisessem). Os funcionários desta instituição estavam seguros daquilo que estavam a fazer, para eles Deus concordava com aquilo que faziam.
A Inquisição foi, fundamentalmente, uma instituição espanhola que antecedeu a contra-reforma. O seu método consistia em julgar os suspeitos que eram denunciados através de testemunhas anónimas. Usavam torturas para tentar arrancar uma confissão do réu, que normalmente confessava mesmo sem ter cometido crime algum. Mal o réu confessava era ou entregue ao Estado ou sentenciado à morte na fogueira. O Estado usava este meio para se livrar dos seus inimigos políticos ou simplesmente das pessoas que contestavam as suas decisões. Este instrumento foi o mais negativo e aterrador da Contra-Reforma.
Paulo IV fez publicar o Índex dos livros proibidos. A heresia é, por vezes, fruto da leitura. Como tal organiza uma lista de livros expressamente proibidos para todas as pessoas, ou melhor, para todos os católicos (só tinham poder sobre eles). Esta lista estava dividida em: autores (como Erasmo), autores cujos livros eram condenados individualmente e livros com doutrinas prejudiciais. Todos aqueles que fizessem que fossem denunciados por ter livros condenados em casa (mesmo que não os tivessem) eram torturados pela Inquisição.
Estas medidas limitaram, durante vários anos, a liberdade de pensamento e comunicação, ao mesmo tempo que representou um bloqueio cultural.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Reformas religiosas

Motivos

O processo de reformas religiosas teve início no século XVI. Podemos destacar como causas dessas reformas : abusos cometidos pela Igreja Católica e uma mudança na visão de mundo, fruto do pensamento renascentista.

A Igreja Católica vinha, desde o final da Idade Média, perdendo a sua identidade. Gastos com luxo e preocupações materiais estavam tirando o objetivo católico dos trilhos. Muitos elementos do clero estavam desrespeitando as regras religiosas, principalmente no que diz respeito ao celibato. Padres que mal sabiam rezar uma missa e comandar os rituais, deixavam a população insatisfeita.

A burguesia comercial, em plena expansão no século XVI, estava cada vez mais inconformada, pois os clérigos católicos estavam condenando o seu trabalho. O lucro e os juros, típicos de um capitalismo emergente, eram vistos como práticas condenáveis pelos religiosos.
Por outro lado, o Papa arrecadava dinheiro para a construção da basílica de São Pedro em Roma, com a venda das indulgências (venda do perdão).

No campo político, os reis estavam descontentes com o papa, pois este interferia muito nos comandos que eram próprios da realeza.

O novo pensamento renascentista também fazia oposição aos preceitos da Igreja. O homem renascentista, começava a ler mais e formar uma opinião cada vez mais crítica. Trabalhadores urbanos, com mais acesso a livros, começaram a discutir e a pensar sobre as coisas do mundo. Um pensamento baseado na ciência e na busca da verdade através de experiências e da razão.

A Reforma Luterana

O monge alemão Martinho Lutero foi um dos primeiros a contestar fortemente os dogmas da Igreja Católica. Afixou na porta da Igreja de Wittenberg as 95 teses que criticavam vários pontos da doutrina católica.

As 95 teses de Martinho Lutero condenavam a venda de indulgências e propunham a fundação do Luteranismo ( religião luterana ). De acordo com Lutero, a salvação do homem ocorria pelos actos praticados em vida e pela fé. Embora tenha sido contrário ao comércio, teve grande apoio dos reis e príncipes da época.Nas suas teses, condenou o culto à imagens e revogou o celibato.

A Reforma Calvinista


De acordo com Calvino a salvação da alma ocorria pelo trabalho justo e honesto. Essa ideia calvinista atraiu muitos burgueses e banqueiros para o calvinismo. Muitos trabalhadores também viram nesta nova religião uma forma de ficar em paz com sua religiosidade. Calvino também defendeu a ideia da predestinação (a pessoa nasce com sua vida definida).

A Reforma Anglicana

Na Inglaterra, o rei Henrique VIII rompeu com o papado, após este se recusar a anular o casamento do rei. Henrique VIII funda o Anglicanismo e aumenta o seu poder e as suas posses, já que retirou da Igreja Católica uma grande quantidade de terras.
AGORA APLICA. . .

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Escultura Renascentista



Na Idade Média, as estátuas eram rígidas, pouco rigorosas e estavam quase sempre ligadas a edifícios. No Renascimento, a escultura recuperou a grandeza da Antiguidade Clássica e para tal contribuíram as escavações arqueológicas realizadas na altura em Roma, que deram a conhecer ao mundo inúmeras obras primas da estatuária greco-romana. Aí se inspiraram os escultores Renascentistas -— entre os quais se destacaram Donatello (1386-1466), Lorenzo Ghiberti (1378- 1455), Bernardo Rosselino (1386- 1466), Andrea del Verrochio (1435- 1488) e Miguel Ângelo (1475- 1488) – para darem uma “nova vida” à escultura.

As esculturas do Renascimento são caracterizadas pelo grande rigor anatómico (para o qual contribuiu o desenvolvimento do estudo da anatomia realizado na época), pelo naturalismo, pelo realismo e pelo humanismo.

Os escultores, nas suas obras, que eram na maioria representações de uma figura humana nua, procuravam exprimir as paixões e os sentimentos característicos do Homem, baseando-se na Bíblia, na mitologia e na Natureza.

Foi também no Renascimento que os escultores passaram a dominar com perícia os materiais utilizados: mármore, pedra, bronze, madeira ou terracota. Na escultura Renascentista destaca-se ainda o desenvolvimento dos estudos de perspectiva que se baseavam em rigorosos desenhos prévios que permitiam às esculturas adquirir a proporção e o realismo características do Renascimento.

Arquitectura do Renascimento



Chama-se de Arquitetura do Renascimento ou renascentista àquela que foi produzida durante o período do Renascimento europeu, ou seja, basicamente, durante os séculos XIV, XV e XVI. Caracteriza-se por ser um momento de ruptura na História da Arquitetura em diversas esferas: nos meios de produção da arquitetura; na linguagem arquitetónica adoptada e na sua teorização. Esta ruptura, que se manifesta a partir do Renascimento, caracteriza-se por uma nova atitude dos arquitectos em relação à sua arte, passando a assumirem-se cada vez mais como profissionais independentes, portadores de um estilo pessoal. Inspiram-se, contudo, na sua interpretação da Antiguidade Clássica e em sua vertente arquitetónica, considerados como os modelos perfeitos das Artes e da própria vida.

É também um momento em que as artes manifestam um projecto de síntese e inter disciplinaridade bastante impactante, em que as Belas Artes não são consideradas como elementos independentes, subordinando-se à Arquitectura.

A arquitectura do Renascimento está bastante comprometida com uma visão-de-mundo assente em dois pilares essenciais: o Classicismo e o Humanismo. Além disso, vale lembrar que, ainda que ela surja não totalmente desvinculada dos valores e hábitos medievais, os conceitos que estão por trás desta arquitectura são os de uma efectiva e consciente ruptura com a produção artística da Idade Média (em especial com o estilo gótico).

Através do Classicismo, os homens do Renascimento encaravam o mundo greco-romano como um modelo para a sua sociedade contemporânea, buscando aplicar na realidade quotidiana aquilo que consideravam pertencer ao mundo das ideias. Neste sentido, a arquitectura passou a, cada vez mais, tentar concretizar conceitos clássicos como a Beleza, acreditando que a canonização e o ordenamento estabelecido pelos arquitectos da Antiguidade Clássica constituíam o caminho correto a ser seguído a fim de alcançar este mundo ideal. Sabendo que os valores clássicos, do ponto de vista do Cristianismo, dominante no período (e lembrando que o Renascimento surge na Itália, região da Europa onde a influência do Vaticano é a mais visível), eram considerados pagãos e objectos de pecado, o Renascimento também se caracterizou pela integração do projecto de mundo cristão com a visão de mundo clássica. A Natureza era vista como a criação máxima de Deus, o elemento mais próximo da perfeição (atingindo, portanto, o ideal de Perfeição procurado pela estética Clássica). Assim, a busca de inspiração nas formas da Natureza, tal qual propõe o Clássico, não só se justifica como passa a ser um valor em si mesmo.

Pintura do Renascimento



A definição de Pintura renascentista surge em Itália durante o século XV inserida, de um modo geral, no Renascimento. Esta pintura funda um espírito novo, forjado de ideais novos e em novas forças criadoras. Desenvolve-se nas cidades italianas de Roma,Nápoles, Mântua, Ferrara, Urbino e, sobretudo, em Florença e Veneza (principais centros que possuíam, entre os séculos XV e XVI, condições económicas, políticas, sociais e culturais propícias ao desenvolvimento das artes como a pintura).

Não se pode dizer, no entanto, que seja um estilo na verdadeira acepção do termo, mas antes uma arte variada definida pelas individualidades que lhe transmitiram características estilísticas, técnicas e estéticas distintas.

As raízes baseiam-se na Antiguidade Clássica (tomadas a partir da cultura e mitologia grega e romana, e dos vestígios quer arquitectónicos quer escultóricos existentes na península itálica) e na Idade Média (captadas em sentido evolutivo e sobretudo da obra de Giotto que teve na sua arte do século XIII, o pronúncio dos princípios orientadores da pintura do Renascimento).

sábado, 13 de novembro de 2010

O RENASCIMENTO


Olá meninos,

esta semana começámos um novo tema: o Renascimento. Cliquem no link , para verem o vídeo da aula.

http://www.youtube.com/watch?v=zTqrVu6j6MY&feature=related

E aqui fica mais informação sobre o tema:


Renascimento
Renascimento (ou Renascença) foi um período na história do mundo ocidental com um movimento cultural marcante na Europa, considerado como um marco do final da Idade Média e o início da Idade Moderna. Começou no século XIII na Itália e difundiu-se pela Europa no decorrer dos séculos XV e XVI.

Além de atingir a Filosofia, as Artes e as Ciências, o Renascimento fez parte de uma ampla gama de transformações culturais, sociais, económicas, políticas e religiosas que caracterizam a transição do Feudalismo para o Capitalismo. Nesse sentido, o Renascimento pode ser entendido como um elemento de ruptura, no plano cultural, com a estrutura medieval.

O Renascimento Cultural manifestou-se primeiro na Península Itálica, tendo como principais centros as cidades de Milão, Gênova, Veneza, Florença e Roma, de onde se difundiu para todos os países da Europa Ocidental. Porém, o movimento apresentou maior expressão na Itália. Não obstante, é importante conhecer as manifestações renascentistas da Inglaterra, Alemanha, Países Baixos, e menos intensamente, de Portugal e Espanha.

Espírito renascentista

O homem vitruviano de Leonardo da Vinci sintetiza o ideário renascentista: humanista e clássico

O Renascimento está associado ao humanismo, o interesse crescente entre os académicos europeus pelos textos clássicos, em latim e em grego, dos períodos anteriores ao triunfo do Cristianismo na cultura europeia. No século XVI encontramos paralelamente ao interesse pela civilização clássica, um menosprezo pela Idade Média, associada a expressões como "barbarismo", "ignorância", "escuridão", "gótico", "noite de mil anos" ou "sombrio" (Bernard Cottret).

O seguinte extracto de Pantagruel (1532), de François Rabelais costuma ser citado para ilustrar o espírito do renascimento:

Todas as disciplinas são agora ressuscitadas, as línguas estabelecidas: Grego, sem o conhecimento do qual é uma vergonha alguém chamar-se erudito, Hebraico, Caldeu, Latim (...) O mundo inteiro está cheio de académicos, pedagogos altamente cultivados, bibliotecas muito ricas, de tal modo que me parece que nem nos tempos de Platão, de Cícero ou Papinianus, o estudo era tão confortável como o que se vê a nossa volta. (...) Eu vejo que os ladrões de rua, os carrascos, os empregados do estábulo hoje em dia são mais eruditos do que os doutores e pregadores do meu tempo.

Ideais do Renascimento
Podem ser apontados como valores e ideais defendidos pelo Renascimento o Antropocentrismo, o Hedonismo, o Racionalismo, o Otimismo e o Individualismo, bem como um tratamento leigo dado a obras religiosas, uma valorização do abstrato, expresso pelo matemático, além também de algumas noções artísticas como proporção e profundidade, e, finalmente, a introdução de novas técnicas artísticas, como a pintura a óleo.


Antropocentrismo
O antropocentrismo é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do entendimento dos humanos, isto é, tudo no universo deve ser avaliado de acordo com a sua relação com o homem.

O termo tem duas aplicações principais. Por um lado, trata-se de um lugar comum na historiografia qualificar como antropocêntrica a cultura renascentista e moderna, em contraposição ao suposto teocentrismo da Idade Média. A transição da cultura medieval à moderna é frequentemente vista como a passagem de uma perspectiva filosófica e cultural centrada em Deus a uma outra, centrada no homem – ainda que esse modelo tenha sido reiteradamente questionado por numerosos autores que buscaram mostrar a continuidade entre a perspectiva medieval e a renascentista.

Hedonismo
O hedonismo é uma teoria ou doutrina filosófico-moral que afirma ser o prazer individual e imediato o supremo bem da vida humana. Surgiu na Grécia, na época pós-socrática, e um dos maiores defensores da doutrina foi Aristipo de Cirene. O hedonismo moderno procura fundamentar-se numa concepção ampla de prazer entendida como felicidade para o maior número de pessoas.

Individualismo
É um conceito político, moral e social que exprime a afirmação e liberdade do indivíduo frente a um grupo, especialmente à sociedade e ao Estado. Usualmente toma-se por base a liberdade no que concerne a propriedade privada e a limitação do poder do Estado. O individualismo em si opõe-se a toda forma de autoridade, ou controle sobre os indivíduos; e coloca-se como antítese do colectivismo. Conceituar o individualismo depende muito da noção de indivíduo, que varia ao longo da história humana, e de sociedade para sociedade.

Não se deve confundir o individualismo com o egoísmo. É compatível com o individualismo permanecer dentro de organizações, desde que o indivíduo e sua opinião seja preponderante.

Embora, na prática, geralmente exista uma relação inversa entre individualismo e o tamanho de um Estado ou organização.

Optimismo

Optimismo se caracteriza por ser uma forma de pensamento. É sinónimo de pensamento positivo, ou seja, uma pessoa optimista é uma pessoa que vê as coisas pelo lado bom. O optimismo é a posição contrária a do pessimismo.

No Renascimento ele significa poder fazer tudo sem nenhuma restrição e abertura ao novo.

Racionalismo

O racionalismo é a corrente filosófica que iniciou com a definição do raciocínio que é a operação mental, discursiva e lógica. Este usa uma ou mais proposições para extrair conclusões se uma ou outra proposição é verdadeira, falsa ou provável. Essa era a ideia central comum ao conjunto de doutrinas conhecidas tradicionalmente como racionalismo.

ANTROPOCENTRISMO


Até finais do século XV, o Homem considerava a vida espiritual e os problemas religiosos como o centro de todos os seus interesses. Contudo, nos últimos tempos da Idade Média surgiu uma nova mentalidade e um novo ideal de vida. Primeiramente em Itália e de­pois nos outros países da Europa, os intelectuais começaram a ma­nifestar uma atitude nova face ao mundo. Então, o Homem colo­cou-se como centro do mundo, isto é, começou a reflectir sobre si e os seus problemas.


A esta visão mais ampla do Homem e do seu lugar no mundo damos o nome de antropocentrismo. Esta nova crença nas capacidades do Homem e nas suas reali­zações levou, nos séculos XV e XVI, a uma profunda mudança nas letras, artes, ciências e em todas as formas de pensamento.




O HUMANISMO


Os humanistas, eram, estudiosos da cultura clássica antiga (grega e romana). Alguns estavam ligados à Igreja, outros eram artistas ou historiadores, independentes ou protegidos por mecenas. Acabaram por situar o Homem como senhor de seu próprio destino, dotado de "livre arbítrio" (capacidade de decisão sobre a própria vida) e elegeram-no como a razão de todo conhecimento, estabelecendo, para ele, um papel de destaque no processo universal e histórico.
Passa a interessar-se mais pelo saber, adquire novas ideias e outras culturas como a grega e a latina mas, sobretudo, percebe-se capaz , importante e criador . Afasta-se do teocentrismo, assumindo, lentamente, um comportamento baseado no antropocentrismo. De uma postura religiosa e mística, o homem passa para uma posição racionalista, crítica e individualista que lenta e gradualmente, vai modificando a estrutura e o espírito medievais.
O Humanismo funcionará como um factor de transformação da mentalidade e da civilização europeia.
INDIVIDUALISMO
A ideia de que cada um é responsável pela condução de sua vida, a possibilidade de fazer opções e de se manifestar sobre diversos assuntos, devendo assentar as suas opiniões em estudos rigorosos, acentuaram o individualismo. É importante percebermos que essa característica do homem do Renascimento não implica o isolamento do homem, que continua a viver em sociedade, em relação directa com outros homens, mas na possibilidade que cada um tem de tomar as suas decisões, de se conhecer a si próprio e às suas capacidades.

Características do Classicismo:
Imitação dos modelos da Antigüidade clássica greco-romana (retomada da mitologia pagã e pela perfeição estética, marcada pela pureza de formas); o homem do séc. XVI acreditava que os antigos gregos e romanos eram detentores dos ideais de Beleza. Platão, Homero, Virgílio e outros mestres da Antigüidade servem de modelo, pois seus valores são eternos e absolutos.


Propagação do Renascimento
Na Itália

A localização da Itália, às margens do Mar Mediterrâneo transformou o país em importante centro de comércio. Muitas cidades se tornaram ricas. Uma nova classe média, com comerciantes e banqueiros, assumiu o poder. Esses homens encorajaram o desenvolvimento da arte e do saber.

Em Portugal

Os testemunhos mais reais da vida cultural nos meados do séc. XIV são as crónicas de Fernão Lopes, o Leal Conselheiro, o nascimento do estilo manuelino e a origem da escola de pintura portuguesa, que tem como obra mais notável o político das Janelas Verdes. São obras muito diferentes entre si, mas com características comuns: o sentido da complexidade e a originalidade. São manifestações portuguesas, e não adaptações de correntes estrangeiras. Pode, com base nelas, falar-se num renascimento quatrocentista português.

O número de livros não é grande, no século XV escreveu-se muito menos que no século XIV.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Competências para o teste de avaliação

1. Caracterizar a conjuntura que se vivia no final do século XIV.
2. Referir as motivações sociais da Expansão.
3. Conhecer o mundo conhecido no século XV.
4. Conhecer as lendas que ocupavam o imaginário, sobre o mundo desconhecido.
5. Indicar as condições da prioridade portuguesa no processo de Expansão.
6. Identificar instrumentos de navegação.
7. Indicar os interesses dos Portugueses na conquista de Ceuta.
8. Explicar o fracasso da conquista de Ceuta.
9. Localizar espacial e temporalmente, e respectivos navegadores, as descobertas/conquistas no período henriquino, D. Afonso V, D. João II e D. Manuel I.
10. Explicar o contrato de arrendamento a Fernão Gomes.
11. Identificar o sonho de D. João II.
12. Conhecer o Tratado de Tordesilhas.
13. Localizar espacial e temporalmente o Tratado de Tordesilhas.
14. Conhecer os sistemas de administração dos arquipélagos atlânticos, da costa africana, da Índia e do Brasil.
15. Conhecer os produtos trazidos pelos portugueses dos arquipélagos atlânticos, da costa africana, da Índia e do Brasil.
16. Definir capitania.
17. Referir os direitos e os deveres de um capitão-donatário.
18. Definir feitoria.
19. Dar exemplos de feitorias.
20. Conhecer o papel dos dois primeiros vice-reis da Índia.
21. Definir miscigenação.
22. Definir aculturação.
23. Reconhecer a Rota do Cabo e a Rota de Manila.
24. Conhecer a colonização espanhola.
25. Explicar o comércio à escala mundial.
26. Identificar os dois centros mundiais de comércio do século XVI.
27. Avaliar as consequências dos Descobrimentos.



BOM TRABALHO!!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Instrumentos de Navegação



Olá meninos!!!!


Para verem mais informações sobre os instrumentos de navegação, cliquem no link que se segue :




Boa viagem!


=)


O Professor

Vídeo da conquista de Ceuta, visto na aula . . .

video22 de Agosto de 1415

5 de Outubro de 2010


Olá meninos,

Pois é. . . . hoje é feriado, sabem porquê?

Vamos lá relembrar então. . . .


A Implantação da República


Nos dias 4 e 5 de Outubro de 1910 alguns militares da Marinha e do Exército iniciaram uma revolta nas guarnições de Lisboa, com o objectivo de derrubar a Monarquia. Juntamente com os militares estiveram a Carbonária e o as estruturas do PRP (Partido Republicano Português).

Na tarde do dia 5 foi proclamada a República à varanda da Câmara Municipal de Lisboa, por José Relvas.

Apesar de alguma resistência e de alguns confrontos militares, o exército fiel à monarquia não conseguiu organizar-se de modo a derrotar os revolucionários. A Revolução saiu vitoriosa, comandada por Machado dos Santos.


O último Rei, D. Manuel II, partiu com a Família Real para a Inglaterra, onde ficou a viver no exílio.

domingo, 26 de setembro de 2010

Vídeo - Expansão


Olá meninos,

Aqui fica o link do vídeo que vimos na aula, para introduzir o tema do expansionismo europeu.

Bom Domingo,

http://www.youtube.com/watch?v=uQDZWP4TH7o

O Professor

Para sintetizar a matéria do ano passado!!!!!

Olá!

Para ficarem com uma síntese da matéria que vimos esta semana, aqui deixo um link para um powerpoint:


http://www.slideshare.net/guest851aad/crise-seculo-x-i-v?src=related_normal&rel=229030

Bom Estudo,

O Professor

O Século XIV - Peste Negra


A Peste Negra


A Peste Negra foi uma epidemia que atingiu a Europa, a China, o Médio Oriente e outras regiões do Mundo durante o século XIV (1347-1350), matando um terço da população da Europa e proporções provavelmente semelhantes nas outras regiões. A peste não só dizimou a população como largamente veio agravar as condições de vida de uma Europa já muito fustigada por fomes e guerras.
Durante o período de revolução e de catástrofe que causou, instituições milenares como a Igreja Católica foram questionadas, novas formas de religião místicas e de pensar prosperaram e minorias inocentes como os leprosos e os Judeus foram perseguidas e acusadas de serem a causa da peste.


era provocada pelas pulgas dos ratos.

A Peste Negra em Portugal

Em nome de Deus Amén.

Porque em o ano da era de 1386 (1348) anos veio a pestilência, a mor­tandade por todo o mundo foi tão grande que não ficou viva a dízima dos homens que então aí havia, e em todo o dito ano morreram o prior e o chantre (o mestre do coro) e todos os raçoeiros (os que recebiam parte da renda dos mosteiros) da igreja de S. Pedro de Almedina de Coimbra uns depois dos outros todos em um mês
.

Virgínia Rau, Un document portugais sur Ia peste noire de 1348, Separata de Annales du Midi, 1966

Vê este powerpoint:

http://www.slideshare.net/Hist8/crises-e-revol-no-sc-xiv?type=powerpoint

Bom Estudo,

O Professor

domingo, 19 de setembro de 2010

Bom Ano Lectivo a Todos!


Olá meninos,


Começa aqui uma viagem pelo tempo, uma viagem que será feita em conjunto e a meta será obter os melhores resultados possíveis no final do ano lectivo!!!


Iremos conhecer novos mundos. . . novas culturas. . . novas ideias. . . novos momentos que marcaram a História e que a tornaram tão fantástica como a conhecemos hoje...


História é mais que estudar os antepassados do Homem. É procurar reconstituir o seu passado, compreender o nosso presente e projectar o nosso futuro.


Assim, desejo-vos a todos uma boa viagem!!!!


O Professor